O Milagre da Manhã

omilagredamanha

Nesses últimos dias eu andei muito ocupado, novas responsabilidades no trabalho, dedicação maior para alcançar as metas propostas e com isso acabei deixando o meu compromisso com minha evolução pessoal de lado, além é claro de dedicar menos tempo a minha família e meu lar.

Ter foco é bom, mas não podemos perder o equilíbrio. Dedicar toda a energia em uma área da vida e deixar o restante em segundo plano, pode ser algo tão irresponsável como não ter foco em nada.

Hoje resolvi mudar essa situação e buscar o equilíbrio desejado. Com o auxílio do livro “O milagre da manhã” de Hal Elrod, voltei a praticar meus mini-hábitos com uma abordagem diferente. Realizar todos na parte da manhã, antes de ir trabalhar.

Acordei as cinco horas da manhã, sem botão soneca no despertador, escovei os dentes, tomei um copo de água e inicie minha rotina de desenvolvimento pessoal. Quinze minutos de exercícios, quinze minutos para o banho, dez minutos para meditação, vinte minutos para estudar inglês, trinta minutos de leitura e para finalizar estou completando meus trinta minutos dedicados à escrita. Não prometo que todos os dias publicarei um post novo, mas todos os dias estarei dedicado em escrever, com isso o blog será atualizado com maior frequência.

Tendo realizado minha rotina de desenvolvimento pessoal até as 7 horas da manhã, durante o restante da manhã e da tarde posso me dedicar 100% ao meu trabalho e depois do expediente posso realizar as atividades domésticas que cabem a mim e dar atenção à minha família. Três vezes na semana tem o treino de corrida também, mas da tempo de fazer tudo.

Que dia maravilhoso hein! Parece que as minhas 24 horas se multiplicaram. De agora em diante essa será a minha rotina diária, em busca de me tornar uma pessoa melhor a cada dia e ter uma vida equilibrada. Mais pra frente irei compartilhar mais informações sobre o livro citado no post. Abraço!

Medo da Crítica

Algo que sempre atrapalhou meu desenvolvimento foi querer sempre agradar aos outros, me preocupar demais com o que as pessoas dizem e pensam ao meu respeito e não querer ser julgado pelas pessoas, isso é o medo da crítica.

Na prática isso se resume a não expor ideias e opiniões em uma roda de conversa, a não ser com pessoas muito intimas. Não querer chamar a atenção em ambientes com muitas pessoas, não questionar e não debater ideias de outras pessoas, aceitar fazer coisas que eu não gosto para agradar aos outros, não fazer nada diferente do que o que todo mundo está fazendo, não colocar projetos e ideias em prática, ou pior, não ter ideias, viver como um bovino resignado.

O que fazer para vencer esse medo? Beber! Quando a bebida entra em cena eu me transformo, viro outra pessoa. Não me importo com a opinião de ninguém, faço somente o que eu quero, converso, debato e discuto com as pessoas. Me torno um comunicador, dançarino e artista. Com a bebida meus problemas estão resolvidos.

Não, não estão resolvidos. Todos sabemos os diversos malefícios que a bebida traz consigo. A chance de fazer algo de que possa me arrepender depois é muito grande, quase certa, além é claro dos danos causados ao corpo e de que é um vício que acaba com muitas vidas.

Um livro que li recentemente e que traz algumas ideias de como lidar com essas questões da vida é “A sutil arte de ligar o f*da-se” de Mark Manson. Segue abaixo uma pequena citação do livro:

“Ligar o foda-se não significa ser invulnerável, mas se sentir confortável com a vulnerabilidade”

Em outras palavras, as pessoas vão me julgar, criticar, muitas vezes até me ofender. Mas também irão elogiar, apoiar e incentivar. Isso faz parte do ser humano e de viver em sociedade, é preciso aprender a lidar com as críticas. Criticas boas e elogios são um combustível para seguir motivado e continuar no caminho. Criticas ruins e ofensas também servem como combustível para seguir motivado e no caminho.

Só é criticado quem faz algo, que não faz nada, não recebe críticas, mas tem a mesma utilidade do que uma pedra. Eu não quer ser uma pedra! E você? Deixe sua resposta nos comentários. Gostou? Curta, compartilhe com seus amigos e deixe um comentário. Abraços!Criticas - Aristoteles

Como vão meus Mini-hábitos

minihabitos

Eu sei que ainda é muito pouco tempo para se falar em hábitos. Eu li o livro dos mini-hábitos e resolvi implantá-los em minha vida no dia 27 de dezembro, só se passaram 14 dias desde então. Se você não viu meu post sobre os mini-hábitos clique aqui para conferir.

Eu adotei 4 mini-hábitos. Ler duas páginas, Escreve 3 linhas, Fazer 1 flexão e passar o fio dental em 1 dente, todos os dias. Eu já tinha instalado no meu celular o aplicativo chamado “todoist”, nele você coloca as tarefas que precisa fazer em determinado dia e quando realiza a atividade marca lá que já foi realizada, pode incluir alertas e tem a opção de aparecer as mesmas tarefas todos os dias, é o que estou utilizando no momento, sem alertas. Eu nunca tinha utilizado esse aplicativo por mais de 2 dias.

Do dia 27 pra cá eu tenho usado o aplicativo TODOS OS DIAS. Sempre que eu realizo um mini-hábito, vou lá e marco que esta concluído naquele dia. Quando estou fora de casa ou é um dia muito corrido, eu tiro um tempinho, realizo os quatro de uma vez e vou lá no aplicativo, pronto tudo ok naquele dia.

Mas o fato mais interessante é que na maioria dos dias não é isso que acontece. Eu pego meu kindle para ler as duas páginas do dia, e de repente já foram uma hora de leitura. A atividade física já fazia parte da minha rotina, mas antes um dia ou outro eu ficava com preguiça e não fazia nada. Agora eu paro para fazer minha única flexão, mas antes vou dar uma corrida ou sempre faço outros exercícios junto com as flexões (no plural).

O fio dental na maioria dos dias eu passo eu todos os meus dentes, no dia que não to afim mesmo, passo em um dente e pronto, meta alcançada. E na escrita, hoje mesmo eu não estava a fim de escrever, demorei um pouco para pensar sobre o que escreveria, resolvi começar e olha onde estou, já foram várias linhas depois das três primeiras.

O fato é, estou muito satisfeito com esse método, porque se eu saio da rotina ou é um dia muito agitado, em dez minutos eu cumpro minhas metas e pronto, fico satisfeito, dever cumprido. Agora na maioria dos dias eu faço muito além de minhas metas e isso acontece porque o mais difícil é começar. Depois que eu sento e começo a escrever para chegar as 3 linhas, que é o objetivo, é muito mais fácil eu continuar a escrever e chegar a 100 linhas, do que se eu resolvesse sentar para escrever 100 linhas, só de pensar nisso já da uma preguiça danada. A resistência interior é muito grande, devemos combate-la todos os dias e os mini-hábitos são uma arma poderosa contra a resistência.

Aprendendo a lidar com o Dinheiro

Há cerca de três anos atrás, consegui realizar uma enorme transformação em minha vida, transformei meu modo de enxergar as coisas. Gosto de dizer que minha mente se abriu e eu pude ver o mundo de outra forma, uma forma totalmente nova para mim, foi quase um renascimento. E isso ocorreu graças a tão falada e tão importante LEITURA.

Eu fui um excelente aluno na escola, até a oitava série. Do ensino médio a faculdade eu era aquele aluno mediano, tirava a nota suficiente para passar e me formei aos trancos e barrancos.

Com relação a leitura, nunca me encantou. Os livros que a professora passava na aula de literatura eram muito chatos e eu nunca tive interesse de buscar algum livro que me interessasse para começar a ler. Cheguei até a ganhar alguns livros infanto juvenis de minhas tias durante a adolescência, começava a ler, achava legal, mas logo deixava de lado e nunca mais pegava. Preferia jogar videogame, navegar na net ou sair com os amigos.

A minha visão de mundo era do tipo “nasci pobre, vou morrer pobre”, “ou nasce rico, ou enriquece de maneira ilegal”, dai por diante. Eu não tinha ambição, nem sabia ao certo quanto ganhava por mês, só sabia que era pouco e que ia passar metade do mês apertado. Assim que recebia já me empenhava em gastar tudo e ficar na pindaíba novamente.

Tudo mudou quando eu resolvi me casar. A primeira vez que economizei dinheiro foi para a festa de casamento, comecei a pesquisar na internet dicas de como juntar dinheiro. Acabei encontrando um livro chamado “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos” do Gustavo Cerbasi, baixei o ebook e li no celular. Na sequência eu li o livro “Pai Rico, Pai Pobre” do Robert Kiyosaki. Através destes livros eu descobri a chamada EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Foi a descoberta de um novo mundo, muitos autores defendem que a educação financeira tem que ser ensinada na escola, desde os anos iniciais.

Com certeza se eu tivesse esse conhecimento anos antes, teria feito outras escolhas em minha vida, na verdade, eu teria feito escolhas na minha vida, por que até então, eu apenas deixava a vida me levar, como diz a letra daquela música muito famosa do Zeca Pagodinho.

Além da educação financeira, outra mudança foi a do hábito da leitura. Por ter encontrado um tema que me agrada bastante, eu passei a ler diariamente. Hoje não leio apenas livros sobre educação financeira, leio sobre diversos assuntos, mas foi ela quem acendeu a chama da leitura em mim.

Nos próximos posts pretendo falar mais sobre como a educação financeira transformou minha vida, quais são os principais conceitos e também não menos importante, dicas de leitura para nos tornarmos uma pessoa melhor. Abraço!

Iniciando novos “Mini-hábitos”

minihabitos

Hoje fiz a leitura do livro “Mini-Hábitos, Hábitos Menores, Maiores Resultados” de Stephen Guise, um livro curto de 109 páginas que comprei na Amazon para ler em meu Kindle. Livro curto, porém, com um potencial enorme de transformar vidas. Eu irei colocar em prática as estratégias propostas e esse post é o ponta pé inicial.

O autor relata suas próprias experiências e inúmeras falhas na busca de perder peso e se tornar uma pessoa mais saudável e ativa fisicamente. Sempre começava com muita motivação, mas após algumas semanas a motivação acabava e o plano ia por água a baixo.

Cansado de tantas frustrações, certo dia ele determinou a seguinte meta que deveria cumprir diariamente e que era tão pequena que não havia desculpa para não fazer, a meta era fazer uma flexão por dia. Por mais cansado, indisposto, estressado ou qualquer outro sentimento que o estivesse dominando, bastava ele ficar na posição e fazer uma flexão, em questão de segundos tinha cumprido sua meta.

O que mais chamou sua atenção foi de que depois de feito uma flexão, era muito mais fácil continuar e fazer mais repetições e até mesmo continuar fazendo outros exercícios. Com isso na maioria dos dias ele fazia muito além da sua meta, porém se por acaso algum dia por algum motivo fizesse apenas uma flexão, iria dormir satisfeito, com um sentimento de vencedor por ter cumprido sua obrigação.

Através do que ele chamou de seu “mini-hábito”, ele perdeu vários quilos e se tornou uma pessoa mais saudável, algo que ele queria realizar a muito tempo e falhara por muitos anos. Com o sucesso de sua nova estratégia ele passou a buscar pesquisas e estudos que comprovassem sua técnica. O livro tem várias referencias de estudos científicos que comprovam sua teoria.

Outros dois mini-hábitos que ele implantou em sua rotina foram o de ler duas páginas de livro por dia e escrever 50 palavras por dia. Com isso ele passou a ler muito mais do que antes e também a escrever muito mais, o que o possibilitou escrever o próprio livro.

O livro é super prático, na primeira parte ele relata suas experiências passadas com outras estratégias de implantar hábitos, e como foi que surgiu a sua ideia dos mini-hábitos e progresso que ele obteve ao longo dos anos. E na segunda parte ele propõe um método passo a passo para se começar a utilizar a estratégia e obter bons resultados.

Eu resolvi implementar três mini-hábitos em meu dia-a-dia que são, 1 flexão por dia, 2 páginas de leitura e escrever 3 linhas por dia. Hoje eu já completei a leitura, a atividade física irei fazer no fim do dia e a escrita eu estou concluindo.

Gostei muito do livro e da estratégia proposta pelo autor, por ser muito simples e prática. O resultado da escrita vocês poderão acompanhar aqui pelo blog através do volume de artigos publicados após este. Aos que se interessaram pela técnica dos mini-hábitos recomendo fortemente a leitura do livro.

Um Forte Abraço!